20100407

Sem Dedicatórias


Pablo Picasso, Visage De La Paix (Serigraph)

Quando se recebe um prémio costuma-se dedicá-lo a alguém. Mas eu não posso dedicar a ninguém um prémio que verse literatura. Aliás, tenho alguém a quem nunca o dedicaria(...). Alguém que corta as asas a uma pequena ave, que ensaia os primeiros voos, não é digno nem merecedor de qualquer dedicatória.
Quero acreditar que não o terão feito por mal. O que não aceito é que sempre se vangloriassem desse facto, como se o tivessem feito com a melhor das intenções. Mas não são as boas e as más intenções que contam para as estatísticas, só os actos concretos. E há actos concretos que resultam de intenções inconscientes, saídas de atitudes assumidas, de religiões ou filosofias de vida. O corte das minhas asas foi uma mutilação genital. Um acto, não de pura maldade, mas de maldade pura. Uma maldade como se faz às galinhas, quando se lhes cortam as penas das asas, para que elas não voem por cima do muro, para as manter sempre no lugar a que pertencem – a capoeira; para que não se aventurem por outros lugares e se percam neles; para que não cruzem outros mundos e se afastem dos donos. Como pode voar uma ave de asas cortadas?!
No entanto eu voei. Unicamente por mérito próprio, voei. Colei as asas e voei (e há quem não me perdoe por isso). Tarde, é certo, mas voei… voo. Apesar de todas as contrariedades: asas que tive de saber colar; ventos que tive de amainar; tempestades que teimaram em me amedrontar; calor escaldante que tive de arrefecer; frio cortante que tive de ignorar; florestas que tive de desbravar; desertos que tive de regar; uma infinidade de horas e dias e anos e sonos que tive de me roubar. Voei. Um voo incerto, inseguro, mas que tem adquirido cada vez mais consistência. Um voo que foi uma das coisas mais belas que pude desfrutar. Mais do que a meta que o voo pretenda alcançar, é o caminho percorrido, o céu explorado, o melhor da jornada.
A minha gratidão por me distinguirem no voo, por entre tantas outras aves que brilham ao sol; a mim, uma pequena ave de asas coladas.

(M. Fa. R. - 04.01.2010)

10 comentários:

legivel disse...

... colar as asas e voar pela poesia depois de alguém mal-intencionado as ter cortado, demonstra que és uma ave com uma enorme força de vontade e prazer pelo que fazes. Os voos assim são mais gratificantes.

Beijos.

poetaeusou . . . disse...

*
ninguém parará a força
das tuas asas coladas,
até Icaro, vencerás .
,
marés de vida,
deixo,
,
*

Sara disse...

Ás vezes não precisamos dizer muito para dizermos a alguém o quanto lhes estamos gratos: Basta um olhar ou uma simples frase como esta que acabei de me lembrar agora: "Sem dedicatória, mas com dedicação" Bjs

Graça Pires disse...

"Tanto caminho andado desde o primeiro poema!... dizia Ary dos Santos. O que se faz para chegar onde queremos é fantástico, já que o mais importante é chegar. O resto, é resto...
Beijos, e parabéns pelo prémio.

Lilá(s) disse...

Lindo texto o teu, lindo o teu voo.
Bjs

Å®t Øf £övë disse...

Fá,
Quando a nossa convicção é grande não há quem consiga cortar-nos as asas em definitivo, porque elas acabam sempre por se regenerar.
Bjo.

Angela Reis (Luna Luz) disse...

Lindo teu texto, profundo, me arrepiei ao ler. Fa, você é uma pequena nota, mas preenche nossa alma com a mais bela música. Gosto de todos os seus blogues. Muito mesmo!!

Por mais que te queiram aprisionar, cortar tuas asas, jamais conseguirão, por tu és livre, teu espírito é livre. Alguém conseguiria segurar uma nota musical, um espírito? Não. Porque eles pairam no ar, voam nas asas do vento.

Grande beijo.

São disse...

Se voas de asas coladas é porque a força te habita a alma: isso é o que mais conta!

O meu sincero abraço de parabéns!

RETIRO do ÉDEN disse...

Parabéns por teres escolhido uma excelente cola...rs.rs...
Já somos duas...
Mas, com a idade aprendi que nós é que deixámos que cortassem as nossas asas...por isso não culpo ninguém e sim a mim própria...que não tive a força e o empenho suficiente para voar...
Também acredito que era porque assim não estaria destinado...ELE sempre tomou conta das minhas decisões e atitudes...se assim deixou acontecer...era porque tinha de assim ser.
Um Santo dia para ti e sê feliz nos teus voos.
Bjs.
Mer

Anónimo disse...

Amiga Fa
Quero dar-te os parabéns
E tambem pelas asas bem coladas.
Beijinhos e que a Foorça continue
Utilia