20110111

Arte(s)


René Bertholo 3

Não é um jogo. Nem de futebol, nem de qualquer outra modalidade desportiva. Mas há um jogador profissional de futebol e um professor de educação física metidos nesta história. Cheiro-os ao longe. É que entrar num museu não é entrar num estádio de futebol ou num ginásio; nem mergulhar numa piscina olímpica. É um mergulho, mas na arte, na história, no passado; é chamar o passado ao presente e levá-lo ao futuro. Posso assemelhar a entrada num museu à entrada numa biblioteca. Por isso, um escritor famoso, como eu, também procura raízes num museu. Já a um profissional do desporto será o desporto que o lá levará; ou a curiosidade ou, quem sabe, para acalmar alguma ansiedade.
Desta vez não podia ter sido em pior altura. Foi completamente danificado um quadro dos mais valiosos do museu. E não sei como aconteceu. Só ouvi um grande estardalhaço e, a seguir, vejo aqueles dois ali especados com cara de assustados, depois do enorme estrondo de vidro a partir.
E isto é uma coisa de que ninguém se pode rir. Como é que este aparato foi suceder? Aproximo-me a tempo de ouvir um deles dizer:
– Isto parece uma cena para os apanhados.
Ainda estou a tentar perceber, quando aparece o vigilante e nos aponta, aos três, como culpados. Digo que eu não, que nem sequer estava ali ao pé. Mas ao que ele responde:
– Se nenhum de vós assumir a culpa têm de ser os três identificados.
– Foi apenas e só o quadro que se soltou da parede. Caiu sozinho. – Encolhe-se o professor.
– Caiu sozinho? Coitadinho! Quem pensa que está a tentar enganar? Têm de vir todos à gerência do museu prestar declarações. – Responde o outro já mal-humorado.
Com aquele tom de voz não pode haver recusas nem excepções. E a destruição de um quadro valioso daqueles não permite contemplações.
Fiquei deveras preocupado: achei que ainda ia pagar pelo que não fiz. Mas antes de ser apurada qualquer responsabilidade, empertiga-se o jogador e diz:
– Eu pago o prejuízo.
Ora aí está alguém com pouco juízo. Mas com dinheiro, benza-nos Deus. Não há um culpado. Há um herói. O que também é arte. Não sei se é isso que me dói, ou se entender que ser famoso mas não ter dinheiro é ser do mundo dos fracos.
Mas não há que desanimar: agora é hora de também ter arte para apanhar os cacos.

(M. Fa. R. - 02.11.2010)

Texto também publicado em Escrita Criativa - Campeonato Nacional
.

8 comentários:

AC disse...

Pouca dignidade resta quando nos limitamos a apanhar os cacos...
(Um bom texto, Fa!)

Beijo :)

DE MÃOS DADAS disse...

Amiga Fa .
Isso foi mesmo um problema.
Mas... talvez tenha partido só o vidro, o vidro é frágil...
Por dentro o quadro talvez tenha ficado intacto, a obra lá está.
Retiram-se os cacos pega-se na obra de arte e coloca-se num novo quadro.

As coisas deste mundo são mesmo frágeis... já tinha dado conta disso.
Espero que não seja nada que não se possa resolver.
Beijinhos da Utilia

avlisjota disse...

Há arte em tudo, ou quase tudo o que fazemos...
A maior riqueza é a que está em nós. Quem tem essa riqueza não se liga muito à materialista, é forte, famoso, inteligente e tolerante; é em tudo contrário à ética do seu tempo e perdura no tempo.
O materialista (rico) possui um mundo ao qual só ele se enquadra. É fraco, egocentrista, prepotente, mentecapto e distópico... Levamos diariamente com eles, seja na rádio, na TV...
Acho que se faz uma ideia deturpada quanto ao conceito, do forte e do fraco, da inteligência ou falta dela, do respeito e do medo... O mundo actual está para o adaptado e neste mundo ser-se adaptado, não é sinónimo de inteligência mas sim atropelo de tudo o que é valor humano e vida em sociedade...

Gosto do texto Fa!

beijo

José

Nilson Barcelli disse...

Uma obra de arte destruída não se pode pagar em dinheiro.
Porque é uma perda irreparável.
Querida amiga, boa semana.
Um beijo.

Baila sem peso disse...

Já tinha saudade de por aqui passar
li tudo que consegui...
parei aqui...
nada paga o preço da Arte em nós
e muito menos o que representa
e o mundo tem desse conceito
posto nos olhos falta de respeito
e outras coisas que nele apresenta...
dignidade vai faltando
e o mundo se baralhando...

(Gostei menina musical :)
já te vi noutro cantinho
desculpa o meu silêncio
mas sabes que agora bailo
muito rapidinho
no meio de menina e menino
que vai dando sonoro hino!
Voltarei sempre que possa
pois gosto do teu espaço
tomara eu não ter embaraço!)

beijinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

eu gostei do texto e gosto da maneira como conduz a sua escrita.

não gostei de quando o jogador disse:

-eu pago!

queria outro desenrolar...

deixo um beij

mfc disse...

Bem... pelo menos na ficção há soluções!
Gostei da forma bonita como nos conduziste a um final imprevisto!

mfc disse...

Estava a (re) ler e a dizer comigo... mas eu já li este texto!!
E depois confirmei no comentário que havia feito na altura!
mas foi bom ler de novo.
Beijos.