20110826

Investida



(Rose Waine, News Of The Red Umbrella in sweetscissorlips)


A noite zangou-se. O calor era-lhe demais – trinta e cinco graus medidos no termómetro do tablier, ao estacionar à porta de casa. Ia haver descida de temperatura, tinham afiançado. No entanto, nunca estivera tão quente ao cerrar da noite. De onde se soltava aquele bafo de fogo? Havia, por certo, algum touro monstruoso encoberto. Não, não um, mas um cento, que aquele resfolegar manhoso, que se ouvia perto, não era só do vento. E nisto, pelos ares, um mundo de lixo em movimento. Em investida. A noite zangou-se. Revoltou-se. Uma tourada é sempre violenta. Sangrenta. Um espectáculo medonho e cruel a que muitos assistem como se fosse cinema de cordel.
E vai o touro de levantar nos cornos tudo de revoada. Atira pelos ares o que encontra pela frente. E a gente teme o pior. Porque não há calor que não dê em frio. É que quando uma coisa aquece demasiado tem que rebentar por algum lado.

20110807

Quando as ondas do mar se transformam em gaivotas



Foto: Eider Oliveira


Ao cair da tarde
As ondas do mar transformam-se em gaivotas

A poesia veste o areal
E a praia converte-se
Obedecem os barcos ao chamamento do mar
E as redes mudam-se em peixes a pular

Movem-se em corrupio para ver
Pessoas sôfregas em alvoroço
E uns compram a dez outros a cem
Que esta poesia também é para comer

Entretanto ressoa o marulhar turbulento
E no lastro doirado estendidos
Plebeus panos sorridentes
De voluptuosos reflexos coloridos

Debaixo do azul reluzente
No oiro espelhado da areia
Constroem em risos castelos crianças
Vigiadas pelos olhares das sereias

E ora ao banho na hora
Da festa ondulante magia
No sal que jorra e sacia
Corpos e almas afora

Tinge-se em momentos de branco o céu
Quando as nuvens se enxameiam
E novamente de luz
Assim que elas se retiram

E é ao cair da tarde
Que as ondas do mar se transformam em gaivotas
Ao transfigurar-se o sol em bruma
E eu rendo-me à sonolência
Quando o mesmo bando
Se desfigura em espuma