20120915

Vento e Luz



(Imagem: Ma Dong Min)

Um vento meio silente sussurra
Nas pequenas horas da manhã
Quando a luz começa a arder
Por detrás das montanhas

Pelos umbrais rasteja
Em leve sopro
Nos dias em que a penumbra é chaga
E a luz é espada

Quem ousará abrir cortinas?
Quero ver o vento solto nos cabelos
E a luz uma dança nos olhares

9 comentários:

Ailime disse...

Uma pérola o seu poema amiga Fá!
Que o vento traga depressa essa luz para nos iluminar na dança das nossas vidas.
Beijinhos e bom domingo.

Mar Arável disse...

Abram-se as portas

rasguem-se as marés

Bj

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

E este desejo
que te habita,
habita também
o coração de muitos...


Que haja sempre um sonho
a nos habitar o entardecer do dia.

Aluísio Cavalcante Jr.

Nilson Barcelli disse...

"Nos dias em que a penumbra é chaga
E a luz é espada"
Excelente poema. Gostei muito.
Fá, minha querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Lilá(s) disse...

Os teus poemas são sempre excelentes!
Beijinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

e sentir meus cabelos ao vento em sinal de liberdade...

muito belo!

beij

Vanuza Pantaleão disse...

Vento e luz na bela dança da vida.
Adorei, Fa!
Beijinhos...

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Nestes tempos conturbados em que vivemos, a luz às vezes" é espada " .... nas nossas almas só frio entra...o vento fustiga; mas, temos que seguir a luz...deixar que ela nos aqueça, nos conforte...nos guie. Apesar do escuro dos dias e da chuvinha que cai, podemos sempre ver o sol brilhar. Lindo, amiga. Um beijinho
Emília

Ana Tapadas disse...

Hoje espreitei aqui...
Poema muito belo!

Beijinho e bom fim de semana.