20150829

Aromas salgados




Nas dunas 
de cactos e hortelãs 
retenho ainda da vasta vegetação 
os aromas salgados 
bastante aspirados 
nas primeiras horas da manhã


20150707

No meu silêncio, o mar.



No meu silêncio, o mar. E o marulhar das ondas. O areal, as conchinhas; as gaivotas e, também, andorinhas; o sol e o vento. E os meus pés, ao longo da orla da maré vaza, a enterrarem-se pela areia molhada, em passadas ligeiras, breves. Semi-breves e colcheias canta-me a espuma das ondas ao vir, aqui e ali, lamber-me as pernas. E eu, no meu silêncio, observo e medito. É Verão outra vez. É o mar outra vez. É a vida... outra vez: como barco que se faz ao mar e retorna à praia cansado da faina, mas nem sempre contente de pescado. Por vezes o cansaço é longo, mas o barco não encontrou o cardume que lhe enchesse as redes a gosto. Por vezes a vida geme de carregos, mas o que trazem não enche medidas nem tamanhos.

E vingam-se as toalhas garridas; e os guarda-sol coloridos; e os calções estampados, mais os biquínis reduzidos, com os seus donos e donas pelo areal ao comprido.

E o mar, sempre o mar, como pano de fundo. E eu, no meu silêncio, no meu mundo.