20100817

És boa como o milho mas eu não sou galinha



Provocas arrepios na pele. Toda tu és arrepios. Já te disseram que és boa como o milho?

Quando esta história começou nem te passava pela cabeça o rumo que ela iria tomar. Nem a mim tampouco. Acabámos a descer o rio em canoa. Para baixo era sempre a descer (dizem que para baixo é que é Lisboa). Mas havia rápidos que eram rápidos demais. Ai, a água que metemos! Numa curva apertada desequilibrámo-nos e virámos a canoa ao contrário. Quase te afogaste (só depois disso é que começaste a aprender a nadar) e tive de te salvar. Puxei-te para terra e fiz-te respiração boca a boca. (Que boca!). Não era preciso, disseste depois, mas gostaste, que eu bem percebi quando as nossas línguas aguaram. Foi, então, a minha vez de quase me afogar… nesse rio que escorria em ti. Mas salvei-me a tempo nas margens das tuas mãos que me seguraram.
Endireitámos, depois, a canoa e alinhámos rio abaixo, mas continuámos a meter água. A canoa avançava umas vezes aos solavancos, outras deslizando como em ringue de patinagem, e ainda outras muito à força de remar como se fosse contra a maré. E não chegámos à meta. Virámos para um afluente magro e barrento e saímos a poucos metros, porque se tornava impraticável a navegação, ficando enlameados e exaustos. Foi quase o salve-se quem puder, com um a escorregar daqui, outro a puxar dacolá… tentando trepar a margem. E eu já nem a mim me segurava, quanto mais a ti! Terminámos a aventura no chão, espalhados ao comprido!
Descansámos, enfim, sujos e perdidos, na terra cultivada de milheiros verdes e altos, que nos engoliam. As barbas tombavam das espigas tenras, como convite a serem desfolhadas. Dizem que o milho verde é bom para comer, e a fome até era mais do que muita, mas o cansaço venceu-me e adormeci na sombra daquele milheiral, com o sol a espreitar pelas frestas.
Acordei sozinho já o sol descaía. Ergui-me e procurei-te com os olhos, mas tinhas desaparecido. Ali perto, vi uma casa de quinta para onde me dirigi e lá me esperavas com um sorriso de orelha a orelha. Estavas melhor do que eu, lavada e reconfortada. E eu nada!
Aceitei um duche e uma velha camisola, e depois, esfomeado, não me fiz rogado ao pão de centeio e marmelada, que era o que havia – desculparam-se os donos da casa.
– Oh, oh! Delicioso!
Pois não! Burro com fome, cardos come! E o que é doce nunca amargou! (Quer dizer: nem tudo! Há doces que deixam um amargo na boca: tu.)
Pedi depois para telefonar a quem nos viesse buscar. Quando chegou a boleia, agradeci a hospitalidade e fomos. E a canoa seguiu viagem, não rio abaixo, mas camioneta acima.
Chegados ao destino, cada um foi à sua vida. E cada vida tomou o seu caminho.

E caímos num impasse: nem tu me ligavas, nem eu te esquecia. Até chegar o dia em que dei por mim, com insistência, a evocar aquele milheiral verde e em como és boa como o milho, e eu que não fui nem sou galinha!
Pois bem, mas não me importei de passar por galo e tentar! Se não me ligavas tu, liguei eu:
– Estou?… Sara?...
– André!… que saudades!
– Cocorococó!...

(M. Fa. R. - 16.07.2010)

12 comentários:

AC disse...

Adorei este texto. Que frescura!

Beijo :)

Luís Coelho disse...

Mas que texto mais divertido, freso e com um certo afrodisiaco.
Parabéns.
Por aqui também costumam empregar a frase - boa como o milho -

avlisjota disse...

Belo texto Fa!

Confesso que cheguei a mandar alguns desses piropos, a uma quantas miúdas giras comó milho. Não desci o rio de canoa com nenhuma miúda gira, mas, que comi milho lá isso comi. :-)

Bjs

José

Baila sem peso disse...

..E o galo cantou e a galinha se levantou...e os dois foram comer milho, com a frescura presa por um atilho :)))...

Bom fim-de-semana
Beijinho

poetaeusou . . . disse...

*
srsrsrsr,
gostei,
,
milho verde, milho verde,
milho verde, maçarocas,
o calor do milheiral
o calor do milheiral
deu para fritar pipócas !
,
conchinhas,
,
*

A.S. disse...

Fá...

É deliciosa a tua forma de escrever!!! As palavras geram emoções...


BjO´ss
AL

gota de vidro disse...

Um texto leve e tão agradável de ler.

Tens um modo de escrever encantador.

Bom fim de semana

bjito da gota

Ailime disse...

Amiga Fá,
Apenas para lhe dizer que é uma pessoa incrível e como gosto do que escreve e como escreve.
Beijinhos.
Ailime

armalu disse...

adorei o texto, e alegre fresco, com um pouco de humor que o torna maliciosa, mas muito ternurento. bj

mfc disse...

Um texto cheio de sedução... com encontros e desencontros... e com um milheiral pelo meio!!
Imagino as cenas no milheiral!!!

(Ahhh... e depois do telefonema??!!)

Fa menor disse...

:)

O resto fica à imaginação dos leitores :)

Nilson Barcelli disse...

Adorei este texto. É brilhante.
E o teu sentido de humor é muito maior do que eu supunha...
Boa semana, beijos.