11/02/2009

Metamorfose


Correr pelo campo, coberto de margaridas, é esvoaçar pelos céus como águia solta ao encontro do sol. Ah, se pudesse ter asas! Assim vibra Luísa, ao experimentar a sensação de liberdade que a vem salvar.
Luísa, prisioneira de um sonho, ao mergulhar os pés no tapete de margaridas, delira como já há muito não lhe acontecia. Ganhar asas é anseio que a persegue e a mantém cativa, refém de um azul que vislumbra ao longe, mas que ao mesmo tempo os grilhões do medo lhe vão impedindo que aconteça.
Agora, este chão, orvalhado de flores, segreda-lhe ousadia. Barricar as portadas do seu mundo, logo que o medo se retire por uns instantes, é a decisão acertada para se desembaraçar, de vez, do seu opressor. O medo ficará para sempre do lado de fora, impedido de atravessar a barreira. Há-de voar. Perseguir o sonho, mantê-lo vivo. E jamais será simplesmente mulher. Será deusa, anjo, pássaro ou apenas libelinha, tanto faz. Voará. Riscará o céu, a lua, as nuvens… ou apenas as flores. Irá ao encontro da luz mais brilhante, ou apenas da linha do horizonte. Mas voará. Voará com as asas coloridas que um arco-íris lhe trouxer.
Por enquanto é apenas crisálida.

(M. Fa. R. - 06.02.2009)

16 comentários:

  1. Também adoro mergulhar os pés e o corpo num campo de Margaridas..., também adoro voar nas asas dos meus sonhos..., também nada me impedirá de persegui-los!

    Muito bonito
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Que texto delicioso.
    Muito suave, vai sempre a crescer até ao final.
    Gostei muito, mesmo.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. E voará. Porque o sonho é isso mesmo e temos que o seguir...sempre!! Muitos beijos.

    ResponderEliminar
  4. Olá Fa;
    Ultimamente tenho corrido por campos cheios de... neve. Mas correr por campos cobertos de margaridas deve ser experiêncis de uma paz maravilhosa.
    Que sorte têm as borboletas.
    bjs
    Osvaldo

    ResponderEliminar
  5. COMO É BOM SABER NUNCA SOMOS OS MESMOS.... SEMPRE MUDAMOS PARA MELHOR OU PIOR....

    ResponderEliminar
  6. Belíssimo texto! Inspirador...

    Vim aqui ter através do link na Cátia (blogue ticho).

    Parabéns pelo conto lá deixado!

    Se quiser, venha visitar os nossos blogues,

    Um abraço,

    Isabel

    ResponderEliminar
  7. Querida Fa

    Este texto ainda mais com o meu nome e no que nele encerra tocou-me muito adorei. Parecia que escrevias sobre a minha pessoa, sei que há muitas pessoas com vidas que não podem ainda voar, mas um dia voarão.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Que lindas palavras!! :)

    ResponderEliminar
  9. um texto lindíssimo e mto bem escrito.

    havemos de conseguir voar, nem que seja a sonhar.

    Beijinhos, Fá!

    ResponderEliminar
  10. Imagino-me voando sobre campos de margaridas e depois de voar, escrever um texto tão lindo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Gostei muito das imagens!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. E em cada dia... uma probabilidade, de pelo menos, alguns sonhos possíveis, se conseguirem atingir... e com isso... voarmos... muito ou pouco... pouco importa!... Mas voarmos!...
    Adorei voar nas suas palavras, e nesta firme vontade da Luísa...
    Beijinhos! Bom fim de semana, Fá!
    Ana

    ResponderEliminar
  13. Correr pelo campo, coberto de margaridas, é esvoaçar pelos céus como águia solta ao encontro do sol.

    Olá, querida amiga Fá!
    Tão lindo seu escrito e suave... Iluminadas palavras saboreio aqui
    Muito contente fiquei em encontrar seus comentários na minha ausência por motivos de saúde familiar
    Esteja bem, amiga, proteja-se!
    Beijinhos
    😘👼🏡🙏🕊️💐🍀

    ResponderEliminar
  14. Uma crisálida que não tarda a ganhar asas e deixar-se levar pelo desejo instintivo da saborear a liberdade.
    Texto belíssimo, Fá!

    ResponderEliminar
  15. Siempre es bueno evolucionar. Te mando un beso

    ResponderEliminar
  16. Great, inspiring text❤

    ResponderEliminar

«a vida, a meu ver, é polarizada entre a prosa – ou seja, as coisas que fazemos por obrigação, que não nos interessam, para sobreviver – e a poesia – o que nos faz florescer, o que nos faz amar, comunicar. E é isso que é importante.»
(Edgar Morin)

poderá também gostar de:

Tons Maiores: