27/05/2010

Das ovelhas não reza a estória



Ah, como eu gosto deles!
Não. Não e não!
Não sei nada.
Já não enxergo nada de nada.
Tudo o que antes me fascinava morreu.
Só os meus pastores de eleição me trazem cativa.
Como tudo neles é belo!
Até parece ficção!
Os seus olhos irradiam a luz do sol em raios de serenidade.
E paz.
E das suas vozes soltam-se arco-íris em bolas de sabão!
Ah, e então, até se quedam mudos os passarinhos ao ouvi-los cantar,
E se inclinam murchos os verdes prados quando os vêem passar!
Mas apetece-me desistir…
Uma dor sobrevoa-me as palavras
E não me deixa declarar tudo o que me morre na garganta.
É como uma sombra que me desfaz o verbo
E o tolhe de se expressar em flor,
Em amor, em luz, em ilusão, em pão.
Sim, é uma dor que se mistura com um grito e o seca.
Dor, angústia, revolta…
Então, não é que há por aí uma desmesurada corrosão
Em campos que perdem encantos
E se vestem de prantos?!
É que é quase obsceno algum ódio de estimação!
Parece que há como que uma castração…
Como se alguém que cala mais alto!
E ninguém percebe a minha aflição!
Tanta, que só me apetece dizer-lhes:
Vão dar banho ao cão!

(M.Fa.R. - 21.05.2010)

15 comentários:

  1. "Uma dor sobrevoa-me as palavras" Um poema que se quer revolta, que é grito de que não desiste de olhar para o campo sem desencanto.
    Gostei muito do poema. Obrigada.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. É lindo o teu poema
    Revolta para quê eu já passei essa fase.
    Resta-me a outra já nem sei qual...
    Beijinhos
    Utilia

    ResponderEliminar
  3. *
    que belo poema !!!
    ,
    quem vai
    a conduzir a motoreta ?
    ,
    srsrsr,
    ,
    conchinhas,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  4. Hoje Domingo é dia de dar "banho ao cão"... que a tua mágoa desapareça e a nossa também...
    Que Jesus lave as nossas mágoas.
    Lindo poema muito realista.
    Forte abraço
    Mer

    ResponderEliminar
  5. Tenho de te dizer que me surprendeste com este gran finalle.

    Parabéns pelo modo como desenvolveste a temática (actualíssima) e pelo poemar... a dois tempos: seríssimo e de final sarcástico.

    Beijos e sorrisos.

    ResponderEliminar
  6. Há coisas que revoltam...mas tambem digo:...se te apetece...manda os dar banho ao cão...aos gatos...ao ...
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  7. Fá,
    Das ovelhas não reza a história, mas neste país parecemos todos umas autenticas ovelhinhas.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. E nunca
    a ovelha se julgou um dia

    andar de moto!

    O seu poema é interessante.

    Às vezes apetece dizer:

    Vão...!

    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Faço minhas as palavras do "Art"...
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. querida fa,
    Sempre me vem milhares de pensamentos e emoções quando leio suas palavras.
    Belo poema!!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  11. Bom dia Querida Amiga
    Agradeço a visita ao lidacoelho.
    Gostei do que vi por aqui e vou seguir este espaço.
    Tantas coisas nos revoltam nestes tempos que até já nem é fácil mandá-los dar banho ao cão.
    A revolta cada dia é maior e cada vez somos mais e mais pisados...........

    ResponderEliminar
  12. A ovelha de moto...ficou demais! O desarranjo vem de longe e não é fácil o conserto mas há coisas que apetece desatar à estalada! E Eu que não sou nada violenta... totalmente contra guerras e intrigas!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  13. Existe sempre lugar para mais um. É preciso é dar largas à imaginação

    Uma semana feliz

    ResponderEliminar
  14. Muito belo seu grito de inconformismo, de indignação. Gostei muito! Bjs.

    ResponderEliminar
  15. O poema é antigo e lindo e parece os problemas tam,bém...Adorei a foto, tão inspiradora,rs...beijos, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar

«a vida, a meu ver, é polarizada entre a prosa – ou seja, as coisas que fazemos por obrigação, que não nos interessam, para sobreviver – e a poesia – o que nos faz florescer, o que nos faz amar, comunicar. E é isso que é importante.»
(Edgar Morin)

poderá também gostar de:

Tons Maiores: