20130518

Embora lá... vamos!



Ela é breve, é comprida, é redonda, achatada.
Tem braços e pernas, barbas, barbichas, sobrancelhas, barbatanas, rabos e badanas.
Ela é rabuda, é peluda, pestanuda, cabeluda, linguaruda.
Ela é fresca, é salgada, é arnenta, é congelada. É crua, é cozida, é frita, é assada...
Ela é cada posta de pescada!


Vamos nessa, ó Vanessa.



9 comentários:

Mar Arável disse...

Nem todos a podem comer

fresca

Ana Tapadas disse...

Muito engraçado! Grande habilidade com as palavras.

Beijinho grande

AJorge disse...

Eh lá!Não conhecia esta tua faceta...

SOL da Esteva disse...

Fá, Querida

Costumamos dizer, neste Portugal, que quando se falam "postas de pescada", é para designar coisas de menor valor ou importância.
Seguramente, não é o caso. Belo trocadilho.


Beijos



SOL

poetaeusou . . . disse...

*
Pescada,
que antes de ser,
já (o) era . . .
,
vagas de iodo,
deixo,
*

© Piedade Araújo Sol disse...

apetece cantar

(eu não gosto lá muito de pescada)

beijinho

Nilson Barcelli disse...

Postas de opescada é o que há mais...
Querida amiga Fá, tem um bom fim-de-semana.
Beijo.

Samuel Balbinot disse...

Bom dia muito bem exemplificada essa pescada rsrs bjs
lapidandoversos.blogspot.com

Menina Marota disse...

Fizeste-me sorrir...

Um beijo!