20110402

Era Uma Vez Um Espelho



Era uma vez um espelho. Um espelho centenário (e um mundo de magia); por detrás, um ar de miragens reclusas.

A casa, escondida nos quase escombros duma aldeola semi-desabitada de Trás-os-Montes, como que ressuscita espectros em cada canto. Dois homens (pouco mais que rapazolas) tropeçam da penumbra interior, procurando descobrir, pela primeira vez, algo mais do que o que a fraca claridade da porta, que deixaram aberta, lhes permite vislumbrar. Uma réstia de sol sente-se aprisionada na fresta da portada da janela e parece teimar em querer escancará-la; incide no espelho encostado e este devolve, ao soalho, um reflexo afogueado.

Nas cercanias, por aqueles montes e vales além, as lendas têm o condão de amedrontar os incautos viajantes que as ouvem desfolhar. E estes dois, um levado pelo outro, herdeiro afortunado, apertam-se, cada qual, num receio assombrado. O vento assobia um ritmo agreste no telhado abaulado, ao mesmo tempo que as ramadas de um velho cedro batem compassadamente na parede despida, zombando dentro um eco descontente. Um morcego volteia um bater de asas aterrador fazendo soltar dois gritos aflitos de pavor. E a réstia continua lá, num chamado insistente à aproximação. A portada range, então, às mãos ávidas de luz e põe a descoberto o romântico espelho, solto do toucador, sem uma beliscadura, resistente ao século, onde o sol agora se encandeia numa baforada multicolor.
Tudo o que é centenário é merecedor de respeito. Por aquilo que já passou, por aquilo que já viveu. Pela sabedoria que adquiriu. E ainda mais quando não deixou que a vida lhe fizesse mossa. Este espelho não envelheceu. Alguém o defendeu das agressões para que retivesse as emoções e até, quem sabe, as frustrações dos olhares que nele fulgiram. Sim, novo permaneceu. Estranho…
Estranho: um espelho centenário sem, sequer, um arranhão, que destoa de uma boa parte do recheio da ampla divisão – a casa de fora – daquela casa abandonada numa imensidão. 
E o espelho reflecte nitidamente, com fidelidade, a imagem do rapaz que dele se abeira e lhe pega. Rapaz e imagem observam-se. Do fundo sai a mesma cara, da mesma forma, do mesmo tamanho; o mesmo corpo. Estranho: nada de estranho. Mil imagens escondidas deveriam, talvez, resgatar-se agora do espelho para fora. Espera: uma outra cara, de outro rapaz, aparece logo ali a mirá-lo. E, num pulo de susto a desequilibrá-lo. Era uma vez um espelho.


(M.Fa.R. - 28.12.2010)



9 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Gostei da história do espelho centenário.
Minha querida, tu sabes contar histórias como poucos. A tua narrativa é muito boa.
Menorzinha, tem um óptimo fim-de-semana.
Beijos.

avlisjota disse...

"Tudo o que é centenário é merecedor de respeito" Muito bem Fa, que bem que por aqui se escreve.

bjs e bom fim de semana1

José

mfc disse...

Gostei da descrição de sons e ambiências dessa casa "tosca e bela...", das vidas que por lá passaram e do impacto do espelho que sempre vai reflectindo o actual!
Um texto excelentemente conseguido.

Mar Arável disse...

Bom texto como sempre

num relato poético de espelhos

que nos muitiplicam

DE MÃOS DADAS disse...

Fa
É maravilhosamente bela a tua história tem um certo ritmo poético e uma elegancia de mestre, e ao mesmo tempo, ressalta um respeito pelo espelho.
Tantos anos a refletir imagens e nunca se cansou...
Será que o teu espelho mágico refletiu vidas ou só caras e coisas?
Gustava de continuar a ler a história do espelho...
Beijinhos amiga
Utilia

Olinda Melo disse...

Olá, Fa

Linda estória, descrita com uma sensibilidade imensa.

Beijo

Olinda

Vanuza Pantaleão disse...

Todo espelho é mágico e guarda consigo segredos centenários.
Grande história!
Bom dia, amiga!!!

© Piedade Araújo Sol disse...

narrativa bem escrita.

gostei do espelho centenário.

beij

Baila sem peso disse...

Numa frase só, em fa ou em dó:
Narrativa poética sendo vida
entre sonho e utopia
nele existe a magia
de quem tece uma sinfonia! :)

Beijinho e xi-apertadinho e até um outro dia! :)

(obrigada pela tua assiduidade e desculpa-me esta ausência que luto para que seja presença...ando cansadita...mas dentro do possível bem! Acredita!!):)