30/11/2021

O que dói



- Amooor, chega aqui!

- Que aflição é essa, homem?

- Oh amor, onde é que estiveste tanto tempo?

- Ora, já te fiz falta?

- Não sabia de ti… e perguntar não ofende.

- Sabes que não gosto que me controles!

- Ui! Gosto tanto quando te irritas!

- És um chato...

- Vá lá, chega cá...

- Que foi agora?

- Hum! Estás coradinha… cheirosinha… e, apetitosamente, és minha.

- Eu sei que sim.

- Mas que arisca que te finges… ou é da minha vista?

- Pois… tua sou, mas sou mais eu!

- Olha, estás a ficar muito cheia de ti!

- Não, enganas-te, estou cheia de ti!

- Que disseste?

- Que se amanhã não chover, vai ser um dia bonito.

- Mas o que é que tens? Não te estou a entender.

- Mas a verdade há-de vir à luz… vais só ver!

- A verdade, amor, é que vai doer.

- Sim, amor… mais do que amar, dói viver.


M. Fa. R. (18.11.2009)

23/11/2021

Moldura Matinal



Leve é o acordar na vegetação por entre aromas molhados de burganiça e sabugueiro. 
As lágrimas de chuva suspendem-se nas ramadas, entrecortadas pelos reflexos dourados de um sol tímido. Os chilreios dos pássaros, de múltiplas linhagens, enchem o ar de colorido. Poisam, levantam, vestem as asas com a manhã e espanejam-nas sôfregas do dia. 
Este levanta-se devagar, acelerando à medida que o sol se vai abrindo num sorriso, ainda que inconstante e inseguro.
Um quadro interactivo a emoldurar no aro da janela, enquanto eu abro a boca num bocejo e esfrego os olhos piscos, para me revestir da vida, sempre renovada, que cada manhã me oferece.

20/11/2021

Aromas salgados




Nas dunas 
de cactos e hortelãs 
retenho ainda da vasta vegetação 
os aromas salgados 
bastante aspirados 
nas primeiras horas da manhã


19/11/2021

Aspirações


Hoje, eu aspirei a lagartixa...
mas mais do que isso,
depois aspirei também a cobra.

Não se deveria aspirar (a) certas coisas...

Não se deveria aspirar (a) certas coisas,
porque o pior vem depois:
e tirar o saco do aspirador?...


15/11/2021

Vvvvvvvuumm



Vvvvvvvuumm… vvvvvvvuumm… o vento veste um capote de voo agreste e vvvvvvvuumm, vai pelos ares levando consigo muito do que encontra pelo caminho: leva velho, leva novo; leva leve e pesado; curto, comprido, plano, esférico, canelado; seja palha, papel, bola, árvore ou telhado… 
Vvvvvvvuumm… o vento agitado numa garrafa no céu, e despejado, faz um vvvvvvuumm vvvvvvuumm tão apressado até ao chão, desalmado, e levanta no seu capote de voo o que estiver mais à mão desamparado.
Ah, desgraçado!

poderá também gostar de:

Tons Maiores: