14/10/2010

Onde está o Pão?

 

Sem pão e sem amor
Sem sequer uma côdea com bolor
Que lhe caia na mão
Aos tropeções por essa vida
Sem esgar na noite entorpecida
À espera de aquecer o coração
Anda perdida qual mendigo
Muita gente em nosso mundo
Matando o ar em campo nu de trigo
Que já foi seu e que ardeu

Quem lhe roubou o seu pedaço de pão
Quem lhe sacou o coração e o pisou
Fingindo bem-fazer
Dizia que era dia e fez a noite
E continua airosamente a sussurrar
Que o pão dos outros é ateu
Que só quem o tem o mereceu
E que o dia de mais pão há-de chegar

Mas eu grito enquanto a voz não me doer
Enquanto a noite escura estiver
Enquanto eu vir ainda um pouco mais além:
Anda muito ladrão por aí com cara de gente-bem!
(29.08.2010)

Também publicado em Porosidade Etérea

 

16 comentários:

  1. Nunca é de mais salientar determinados factos.
    Nunca é de mais clamar por mais justiça e pão.
    Nunca é de mais clamar pela dignidade.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. E é bom falar, gritar talvez, a ver se essa distância diminui,pois só a temos visto a aumentar...
    Bj
    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  3. Talvez um dia se levantem do chão

    ResponderEliminar
  4. O teu canto e o nosso grito por mais paz, amor e pão.
    O mundo continua a queimar as searas de pão e os corações aflitos morrendo abandonados sem nada.
    Criou-se uma sociedade vazia em que os políticos prometem mas não cumprem e apenas se protegem a eles e aos amigos.
    Caminhamos ainda para a parte pior.
    Destruíram a família e ensinam o desprezo pelos princípios básicos que nos têm orientado.

    ResponderEliminar
  5. Quem ama sempre grita pela igualdade.
    Utilia

    ResponderEliminar
  6. Belíssimo!
    Um BLOG agradável como a música!
    Harmonia, sinfonia, suavidade que faz desejar dançar.
    Parabéns
    Salete

    ResponderEliminar
  7. Belo poema, assim como belos são seus gestos. Também gosto de escrever poemas sociais, uma forma que encontro de clamar, chamar atenção para o que precisa ser olhado com mais atenção, respeito e carinho.

    bjos. Jesus te abençõe! =*

    ResponderEliminar
  8. Ola Fá

    Começo por te desejar uma boa semana e também dar-te os parabéns por este excelente poema! Deves, devemos todos gritar e continuar a vêr um pouco mais além.

    Olha eu já li tantas vezes este poema que já o sei de cor! :-)

    Bjs

    José

    ResponderEliminar
  9. E há tantas formas de roubar o pão dos outros...
    Desde assaltar a casa do vizinho ou um banco, até não pagar os impostos ou trabalhar e receber o subsídio de desemprego ou de baixa por doeça...
    Em qualquer caso, com ou sem roubos, o teu poema é excelente.
    Querida amiga, boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  10. Não basta ter razão

    nem só o coração

    é preciso acção

    contra a indiferença

    ResponderEliminar
  11. o poema é actual e está muito bom.

    bonita partilha.

    beij

    ResponderEliminar
  12. nunca é demais desmascarar as injustiças ,porque

    "água mole em pedra dura ,tanto bate até que fura"



    .
    um beijo

    ResponderEliminar
  13. E este grito pelo pão
    corre pelo mundo inteiro
    com tanta dor no coração...
    alguém o oiça, pois então!...

    Bjinho

    ResponderEliminar
  14. Roubando o pão dos outros.A cobiça não conhece muito piedoso .
    Uma boa saúde.

    ResponderEliminar
  15. Sempre actual, infelizmente.Boa semana, Beijo

    ResponderEliminar
  16. A justiça corre nos nas veias.
    Como o sangue
    Gostei

    ResponderEliminar

«a vida, a meu ver, é polarizada entre a prosa – ou seja, as coisas que fazemos por obrigação, que não nos interessam, para sobreviver – e a poesia – o que nos faz florescer, o que nos faz amar, comunicar. E é isso que é importante.»
(Edgar Morin)

poderá também gostar de:

Tons Maiores: